O Palácio dos Papas em Avignon, a maior fortaleza gótica

O Palácio dos Papas de Avignon é uma famosa fortaleza gótica, situada no departamento de Vaucluse, na região de Provence-Alpes-Côte d’Azur. Fortaleza e palácio, o Palácio dos Papas é o símbolo da influência da Igreja no Ocidente cristão durante o século XIV. Criado a pedido do Papa Bento XII e do seu sucessor Clemente VI, o Palais des Papes continua a ser, até hoje, a maior fortaleza gótica do mundo em termos de superfície, com os seus 15.000 m². Construído sobre uma rocha, perto da catedral de Notre-Dame des Doms e classificado como monumento histórico desde 1840, o Palais des Papes em Avignon atrai cerca de 700.000 visitantes todos os anos. O monumento está também classificado como Património Mundial da UNESCO desde 1995. Neste artigo, vamos analisar a história do Palais des Papes, os elementos arquitectónicos góticos que o compõem e os principais papas que contribuíram para as suas muitas extensões.

A história do Palácio dos Papas em Avinhão

O Palácio dos Papas em Avignon inclui o “velho” palácio de Bento XII e o “novo” palácio de Clemente VI. O Palácio dos Papas é também o maior edifício gótico do mundo. Em 1309, o Papa Clemente V chegou a Avinhão e instalou-se no convento dominicano dos Frades Pregadores. Sob o seu pontificado, Avinhão tornou-se a residência oficial do Sacro Colégio dos Cardeais, sob a direcção do rei francês Filipe, o Belo. No entanto, o Papa Clemente V preferiu residir em Carpentras ou Monteux. Com a sua morte, e após uma eleição difícil, Jacques Duez, recém-eleito papa transitório, quis instalar o papado em Avinhão, cidade onde tinha sido bispo. Coroado em 5 de Setembro de 1316, tomou o nome de João XXII e instalou-se no palácio episcopal que outrora ocupara, situado no local do actual Palais des Papes. Os alojamentos do Papa situavam-se na ala oeste e o lado norte albergava a igreja paroquial de Santo Estêvão. A 4 de Dezembro de 1334, o Papa João XXII morre e é sucedido por Jacques Fournier, um cardeal branco, que escolhe o nome de Bento XII. Muito rapidamente, Bento XII decidiu ampliar o palácio episcopal transformado pelo seu antecessor. O Rochedo dos Doms, que domina a cidade de Avignon, foi escolhido como local para a ampliação do palácio, a fim de dar ao edifício maior dimensão e visibilidade do alto dos Alpilles. No entanto, o Papa Bento XII queria restaurar a ordem na Igreja e também trazer a Santa Sé de volta a Roma. Mas a revolta da cidade de Bolonha em 1335, associada aos protestos dos cardeais, pôs fim a qualquer projecto de regresso a Roma e confirmou a escolha de Avinhão. Em 1335, o arquitecto Pierre Peysson é encarregado das obras do novo Palácio Pontifício. As obras dos apartamentos pontifícios começaram em Março de 1337 e, em Novembro, iniciaram-se as obras da ala grande e da ala sul. A Torre da Latrina foi concluída em Julho de 1338, bem como a pequena Torre Bento XII. A decoração dos apartamentos pontifícios foi confiada aos pintores Hugo e Jean Dalban, enquanto a construção do claustro começou em Dezembro de 1338. A ala dos familiares e a torre do campanário começaram em Agosto de 1339 e Dezembro de 1339 marcou o fim das grandes obras do palácio pontifício. Os frescos do pórtico de Notre-Dame-des-Doms foram confiados a Simone Martini, pintor italiano, em 1341.

O Palácio dos Papas em Avignon e a Catedral de Notre-Dame-des-Doms
O Palácio dos Papas em Avignon e a Catedral de Notre-Dame-des-Doms

O novo palácio de Clemente VI

O Cardeal Pedro Roger, sob o nome de Clemente VI, sucedeu a Bento XII a 7 de Maio de 1342. Considerando “insuficiente” o palácio construído pelo seu antecessor, Clemente VI encarregou João de Louvres de construir um novo edifício, cujas obras começaram no Verão de 1342. O Papa instalou-se na antiga sala de audiências de João XXII, que mais tarde se tornou o Tribunal de Honra. Foram construídas duas novas torres, a torre da cozinha e a torre do guarda-roupa, enquanto se aceleravam as obras do novo palácio. A superfície do Palácio dos Papas atingiu 6.400 m² em 1351 e a sua arquitectura gótica foi aclamada em todo o mundo. A decoração das paredes e dos frescos do novo Palais des Papes foi confiada a Matteo Giovanetti, pintor e decorador, aluno de Simone Martini. Em 1344, Giovanetti começou a trabalhar na decoração da Capela de São Marcial e todos os seus trabalhos no palácio continuaram até 1347. Em 1348, o Papa Clemente VI compra à Rainha Joana a cidade de Avignon por 80.000 florins, que passa a ser uma propriedade pontifícia, independente da região da Provença.

O Palácio depois de Clemente VI

O Papa Clemente VI morreu em 1352, mas com as reservas financeiras do palácio em baixa, os seus sucessores tiveram de se contentar com simples trabalhos de renovação ou manutenção. Nesse mesmo ano, surgiram novos frescos de Matteo Giovanetti na grande sala de audiências. Só em 1362, com a nomeação do Papa Urbano V, é que foram efectuadas as dispendiosas obras de ampliação dos jardins papais. Urbano V mandou também construir a Roma, uma longa galeria decorada por Matteo Giovanetti, perpendicular à torre dos anjos que, concluída em 1363, marcou o fim das obras do “novo” Palácio. Esta galeria já não existe actualmente, pois foi arrasada pelos Engenheiros Militares em 1837. Com os seus 15.000 m² de pavimentos, o Palácio dos Papas de Avinhão continua a ser, até hoje, o maior conjunto gótico do mundo. É composto por vários elementos arquitectónicos, incluindo pátios, capelas, torres e numerosas salas. A sua fachada ocidental é constituída por uma série de arcos a 15 metros do solo. Os dois torreões da fachada assentam em duas estacas e o Palácio dos Papas de Avinhão tem 12 torres.

O pátio principal do Palais des Papes durante o Festival de Avignon
O pátio principal do Palais des Papes durante o Festival de Avignon

As 12 torres do Palácio dos Papas em Avignon

  • A Torre das Trouillas: é uma torre de menagem situada no canto norte do palácio e tem um terraço no telhado.
  • A Torre da Latrina: situada a sul, a Torre da Latrina tem dois pisos e era utilizada como casa do gelo. No topo, esta torre albergava o alojamento do capitão do palácio.
  • A torre da cozinha: contígua à torre da latrina, esta torre albergava as antigas cozinhas do palácio.
  • A torre Saint-Jean: situada na fachada oriental, alberga a capela Saint-Martial reservada aos papas.
  • A torre do estudo: era a torre mais próxima da Roma, a antiga galeria actualmente destruída.
  • A Torre dos Anjos: é uma das torres mais bem conservadas do palácio. Albergou o quarto de dormir do Papa Bento XII.
  • A torre do jardim: separada do castelo, esta torre está situada a leste do palácio.
  • A torre do guarda-roupa: contígua a sul da torre da corte dos anjos, esta torre foi construída durante o reinado de Clemente VI.
  • A torre Saint-Laurent: esta torre foi acrescentada durante o pontificado do Papa Inocêncio VI.
  • A torre Gâche: era utilizada para avisar a população do recolher obrigatório e dos incêndios.
  • A torre Campane: a sua função era proteger o lado norte do palácio.
  • A torre dos grandes dignitários: esta torre estava situada no prolongamento da ala dos grandes dignitários.

As principais salas do Palácio

  • A sala da guarda: situada na ala dos grandes dignitários, a sala da guarda mede 17×10 metros.
  • A sala do tesoureiro: situada por cima da sala da guarda, a sua superfície é de 170 m².
  • O Cubicular: com os seus 230 m², o Cubicular é uma das mais belas salas do Palácio dos Papas de Avignon.
  • O quarto do Conclave: situado na ala do Conclave, este quarto de 72 m² foi outrora utilizado como apartamento de hóspedes.
  • O Grande Tinel: esta sala de dimensões impressionantes (480 m²) era utilizada principalmente para conclaves e grandes festas.
  • A paneteria: situada por baixo da Sala do Conclave, a paneteria era utilizada para preparar até 300 refeições por dia.
  • A grande adega: situada por baixo da paneteria, a grande adega é uma cave escavada na rocha.
  • A grande sala de audiências: esta imensa sala (52 metros de comprimento, 16,80 metros de largura e 11 metros abaixo do tecto) era utilizada como tribunal para as causas apostólicas cujas sentenças não eram passíveis de recurso. A grande sala de audiências era acessível através da galeria do Conclave e da galeria do claustro.
  • O Studium de Clemente VI: também conhecida como a sala do veado, esta sala é a mais famosa do Palácio Papal graças à sua decoração excepcional.
Os frescos da Capela de São Marcial de Matteo Giovanetti
Os frescos da Capela de São Marcial de Matteo Giovanetti

As capelas do Palácio dos Papas

O Palácio dos Papas tem 3 capelas:

  • Capela de São Marcial: situada no segundo andar da Torre de São João, a Capela de São Marcial é reconhecível sobretudo graças aos seus frescos de Matteo Giovanetti.
  • Capela de São João: situada por baixo da Capela de São Marcial, a Capela de São João é acessível a partir do claustro e os seus frescos retratam a história de São João Baptista e de São João Evangelista.
  • A capela-mor: dedicada aos apóstolos Pedro e Paulo, a capela-mor foi construída durante o pontificado de Clemente VI. Com 52 metros de comprimento e 15 metros de largura, o tecto da capela-mor atinge 20 metros acima do solo. Acessível através de uma escadaria monumental de honra, o seu portal e pátio estão situados ao nível do pátio de honra do Palácio dos Papas.

Os pátios e os jardins do Palácio dos Papas em Avignon

Já em 1342, Clemente VI mandou arrasar as casas e os edifícios situados ao lado do “antigo” palácio, que delimitavam a Praça dos Cancéis. Foi neste local que foi criado o pátio de honra do Palais des Papes, pátio que acolhe actualmente os grandes espectáculos do Festival de Avignon. Com uma superfície de 1800 m², o pátio é rodeado a sul e a oeste pelo “novo” palácio, e a norte e a leste pelo “antigo” palácio. Um poço de 29 metros de profundidade situa-se no centro do pátio de honra e, no passado, três portas permitiam o acesso ao palácio. O pátio do claustro é delimitado por quatro outros edifícios. Está rodeado a leste pela ala do Consistório, a sul pela ala dos hóspedes, a oeste pela ala familiar e a norte pela capela de Bento XII. Os jardins papais ocupam uma superfície de quase dois hectares e incluem o pomar de Urbano V (1.000 m²), o jardim do Palácio (1.250 m²) e o jardim privado do Papa (660 m²), que só é acessível através dos apartamentos.

Papas que foram coroados em Avinhão

Entre 1335 e 1394, realizaram-se no Palácio de Avinhão 6 conclaves (locais onde se reúnem os cardeais para eleger o Papa).

  • Bento XII (1335-1342): cujo verdadeiro nome era Jacques Fournier, este antigo cardeal branco sucedeu a João XXII em 1335 até à sua morte em 1342.
  • Clemente VI (1342-1352): sucedendo a Bento XII, Clemente VI, cujo verdadeiro nome era Peter Roger, foi papa durante 10 anos.
  • Inocêncio VI (1352-1362): nascido Estêvão Aubert, este antigo bispo de Clermont foi o 199.º papa da Igreja Católica.
  • Urbano V (1362-1370): nascido Guillaume Grimoard, Urbano V foi o sexto papa de Avinhão.
  • Gregório XI (1370-1378): o pontificado de Gregório XI foi marcado por um regresso a Roma.
  • Bento XIII (1394-1423): Bento XIII foi o último papa a ser coroado em Avinhão.

A cidade de Avignon é também o coração da famosa cantora Mireille Mathieu. Horários, acessibilidade, informações práticas, venda de bilhetes em linha… convidamo-lo a consultar o sítio www.palais-des-papes.com para organizar a sua visita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SPONSOR

spot_img

LATEST

Disneyland Paris, o parque temático preferido dos franceses

Primeiro parque temático da Europa, com 15 milhões de visitantes por ano, a Disneyland Paris é também o parque temático preferido dos franceses, à...

Gastronomia francesa: 10 especialidades que viajam pelo mundo

A gastronomia francesa é mundialmente conhecida pela sua riqueza, diversidade e requinte. Encarna a própria essência das artes culinárias e conquistou o paladar dos...

O Panteão de Paris, monumento à memória dos grandes homens

O Panteão de Paris é um monumento famoso situado no 5º arrondissement da capital, no coração do Quartier Latin, na montanha Sainte-Geneviève. Este edifício...

A Route du Rhum, a famosa corrida transatlântica de Saint-Malo

A Route du Rhum é uma regata à vela solitária criada em 1978 por Michel Etevenon, a partir de uma ideia de Bernard Hass...

Marion Cotillard, uma actriz francesa estrela em Hollywood

Marion Cotillard é uma actriz francesa nascida em Paris em 1975. Famosa em França e em todo o mundo, começou a sua carreira na...