Didier Deschamps, campeão do mundo e treinador da selecção francesa

Didier Deschamps é um antigo futebolista internacional francês, nascido a 15 de Outubro de 1968 em Bayonne, no departamento de Pyrénées-Atlantiques. Didier Deschamps é treinador desde 2001 e é o treinador da selecção nacional francesa desde 2012. Formado no FC Nantes antes de ingressar no Olympique de Marseille em 1989, Didier Deschamps conquistou inúmeros títulos ao longo da sua carreira. Desde a Liga dos Campeões em 1993, ao Campeonato do Mundo de 1998, ao Campeonato da Europa em 2000 e depois à segunda vitória dos Bleus durante o Campeonato do Mundo de 2018, o historial deste adepto do futebol francês é impressionante! Neste artigo, vamos reconstituir a incrível carreira de Didier Deschamps, revisitando a sua carreira excepcional como jogador, depois como treinador e agora como treinador.

O futebol na juventude de Didier Deschamps

Durante a sua infância, o pai de Didier Deschamps foi jogador amador de râguebi no Biarritz Olympique. Pouco atraído pela bola oval, Didier Deschamps preferia o futebol, mas, apesar disso, não queria entrar para um clube, pois acreditava que o futebolista não era uma profissão. Na escola, descobriu os desportos colectivos e experimentou o futebol aos 11 anos, juntando-se ao Aviron Bayonnais. Mais alto e mais rápido do que as crianças da sua idade, Didier Deschamps juntou-se à equipa de jovens como avançado e marcou uma série de golos. Rapidamente superado, Didier Deschamps foi seleccionado para muitas selecções departamentais, regionais e até nacionais! Didier Deschamps vestiu a camisola azul pela primeira vez durante uma viagem à Bélgica e ganhou a Taça Nacional de Menores de 1982 com a sua equipa. Na sequência desta vitória, Pierre Garonnaire, um olheiro do A.S. Saint Etienne, ofereceu a Didier Deschamps uma semana de estágio. Algumas semanas mais tarde, foi a vez do FC Nantes que lhe propôs assistir a um jogo, acompanhado pelos seus pais. Didier Deschamps mudou-se finalmente para o Nantes no Verão de 1982, ansioso por conseguir um contrato profissional. Nessa altura, o jovem futebolista partilhava o balneário com um certo Marcel Desailly, um jogador que viria a ser seu colega de equipa no Olympique de Marselha, mas também na selecção francesa.

A sua carreira futebolística no FC Nantes (1985-1989)

O início da carreira de Didier Deschamps foi marcado por problemas de ciúmes no seio da equipa, nomeadamente em relação aos jogadores mais velhos e mais experientes. Ao mesmo tempo, Didier Deschamps estudava por correspondência e jogava no clube como médio e depois como líbero. A jovem esperança do futebol francês passou rapidamente de um treino duas vezes por semana para duas vezes por dia! Aos 16 anos, Didier Deschamps tornou-se capitão da selecção nacional francesa, ao mesmo tempo que se preparava para o bacharelato. Passados dois anos, Jean-Claude Saudeau, então treinador da equipa de Nantes na primeira divisão, quis integrar Didier Deschamps no grupo profissional para a época 1985-1986. Em 1987, Didier Deschamps, que agora jogava como defesa central, foi eleito capitão e marcou o seu primeiro golo na Ligue 1. Em 1988, com 20 anos, torna-se internacional francês a pedido de Michel Platini, treinador da selecção francesa de 1988 a 1992. Em 1989, depois de 131 jogos na primeira divisão e 4 golos marcados, Didier Deschamps ingressou no Olympique de Marseille, o famoso clube de futebol presidido pelo empresário Bernard Tapie.

Didier Deschamps treinou o Olympique de Marseille entre 2009 e 2012
Didier Deschamps treinou o Olympique de Marseille entre 2009 e 2012

Didier Deschamps e o Olympique de Marseille (1989-1994)

Didier Deschamps passou a jogar ao lado de jogadores de prestígio como Jean-Pierre Papin, Jean Tigana e Chris Waddle, mas o seu início no clube foi hesitante. No entanto, o Olympique de Marseille conquistou o título de campeão francês em 1989. Emprestado pelo clube, Didier Deschamps também fez uma pausa na sua carreira no OM para se juntar ao Girondins de Bordéus durante a época de 1990-1991. Mas não estava satisfeito com a sua posição de líder no Bordéus e fez um grande esforço para convencer Bernard Tapie a regressar ao OM. De regresso ao Olympique de Marselha, Didier Deschamps impôs-se como treinador habitual do clube e tornou-se dirigente da equipa de Marselha. Após a partida de Jean-Pierre Papin para o AC Milan, Didier Deschamps foi promovido a capitão do OM em 1993 e tornou-se o mais jovem capitão de uma equipa francesa a conquistar a Liga dos Campeões. Nesse mesmo ano, o clube conquistou o campeonato francês pelo quinto ano consecutivo. No entanto, na sequência do caso OM-Valencienne (suspeitas de viciação de resultados), o clube foi destituído da Taça de França e, simultaneamente, da Taça dos Campeões Europeus! Em Maio de 1994, Didier Deschamps deixou a França para se juntar ao prestigiado clube italiano Juventus de Turim.

A sua carreira na Juventus (1994-1999)

Didier Deschamps sucedeu a Michel Platini neste mítico clube de futebol e mudou-se para Turim durante três anos, mas, devido a uma lesão no tendão de Aquiles, teve de esperar até Fevereiro de 1995 para se juntar oficialmente à equipa italiana. Rapidamente se tornou indispensável na equipa da Juventus e o final da sua primeira época foi marcado por uma dobradinha no campeonato e na taça. Durante a sua estadia em Itália, o jogador melhorou técnica e tacticamente para ganhar a sua segunda Liga dos Campeões contra o Ajax de Amesterdão em 1996. No Verão de 1996, Didier Deschamps juntou-se à selecção francesa e tornou-se semi-finalista do Euro. Zinedine Zidane juntou-se à Juventus em 1996, ajudando a equipa de Didier Deschamps a vencer a Taça Intercontinental e a Supertaça da UEFA. Campeão do mundo com os Blues em 1998, no Stade de France, o seu regresso à Juventus foi marcado por escândalos de doping no seio do clube e pela falta de títulos durante essa época. No Verão de 1999, o clube decidiu separar-se de Didier Deschamps, que pretendia juntar-se ao clube britânico Chelsea, onde reencontrou o seu companheiro do FC Nantes, Marcel Desailly.

O fim da carreira de Didier Deschamps como jogador

O Chelsea (1999-2000) e o Valência CF (2000-2001) marcaram claramente o fim da carreira de Didier Deschamps como jogador, apesar de ter ganho o Euro 2000 com a selecção francesa. No entanto, o jogador tentou um último desafio ao assinar pelo Valencia CF em 2000. Mas devido a problemas físicos e à forte concorrência de outros jogadores, o francês fez apenas 19 jogos em todas as competições com o clube. Em 2001, no limiar do seu 33º aniversário, Didier Deschamps decidiu pôr fim à sua carreira internacional para se tornar treinador. O antigo jogador assumiu as suas novas funções na época 2001-2002 no AS Monaco.

Didier Deschamps e a vitória da equipa francesa na final do Campeonato do Mundo de 2018
Didier Deschamps e a vitória da equipa francesa na final do Campeonato do Mundo de 2018

A sua nova carreira de treinador (desde 2001)

Em 2001, Didier Deschamps assinou por 4 anos com o AS Monaco, como treinador e director técnico do clube. Após uma primeira temporada catastrófica, o novo treinador foi obrigado a fazer concessões para manter o seu lugar no AS Monaco. Assim, Jean Petit e Jean-Luc Ettori juntaram-se a ele em 2002. A partir de 2003, os resultados foram sentidos e o AS Monaco venceu a Taça da Liga no mesmo ano e terminou em segundo lugar na classificação, atrás do Olympique Lyonnais. Na sua terceira época, o seu estilo ofensivo seduziu os jogadores que obtiveram bons resultados, nomeadamente na Liga dos Campeões, onde terminaram em terceiro lugar no campeonato. No entanto, a carreira de treinador de Didier Deschamps no AS Monaco chegou ao fim em Setembro de 2005, após a eliminação do clube da Liga dos Campeões na terceira pré-eliminatória. Durante o Campeonato do Mundo de 2006, Didier Deschamps tornou-se consultor da rádio RMC ao lado de Louis Fernandez. A 10 de Julho de 2006, apesar da despromoção e de uma penalização de 17 pontos na classificação, Didier Deschamps regressou à Juventus, desta vez como treinador. O francês conseguiu restaurar a reputação do clube em poucos meses, mas um desentendimento com o director desportivo do clube pôs prematuramente fim à missão do treinador.

Em Maio de 2009, Didier Deschamps assinou por dois anos como treinador do Olympique de Marseille. A equipa manteve rapidamente a sua posição no top 8 do campeonato e venceu a Taça da Liga no final de Março de 2010 contra o Girondins de Bordeaux de Laurent Blanc. Didier Deschamps foi coroado Campeão de França no mesmo ano e ganhou o troféu de melhor treinador francês em 2011. Também em 2011, o OM venceu o Troféu dos Campeões à frente do Paris Saint-Germain e o clube qualificou-se para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Didier Deschamps prolongou o seu contrato por mais dois anos na cidade de Marselha, mas devido à falta de resultados, o clube e o treinador separaram-se oficialmente em Julho de 2012. No dia seguinte à saída de Laurent Blanc do comando dos Blues, Noël Le Graët, presidente da Federação Francesa de Futebol, nomeou Didier Deschamps como novo treinador da selecção nacional francesa por um período renovável de dois anos.

Didier Deschamps, novo treinador da selecção francesa

Com a sua nomeação, Didier Deschamps pretende, acima de tudo, impor valores como o espírito de grupo, o sentido de equipa, bem como o respeito e a honra pelo país. Para tal, apoia-se em líderes históricos como Patrice Evra ou Yohan Cabaye, mas em 2013, os resultados alcançados pela equipa francesa são mais do que decepcionantes, chegando mesmo a ser alarmantes em vésperas do próximo Campeonato do Mundo de 2014. Apesar disso, a equipa francesa chegou aos quartos-de-final, onde foi eliminada pela Alemanha. Qualificada automaticamente como anfitriã do Euro 2016, a equipa francesa apenas disputou jogos amigáveis durante dois anos e o contrato de Didier Deschamps foi prolongado até 2018, data do próximo Campeonato do Mundo de Futebol. Na sequência do caso Sextape, que manchou a reputação dos Blues, o treinador francês decidiu não incluir Karim Benzema e Mathieu Valbuena no Euro 2016. A equipa anfitriã francesa começou a competição com o jogo de abertura no Stade de France contra a Roménia. Os blues, que se qualificaram para as meias-finais, conseguiram vencer a Alemanha, mas perderam na final contra Portugal e os homens de Cristiano Ronaldo. Em 2017, os azuis venceram no Luxemburgo e Didier Deschamps incluiu no plantel o prodígio Kylian MBappé, de 19 anos. Em Outubro, os azuis qualificaram-se para o Campeonato do Mundo de 2018 ao vencerem o jogo contra a Bielorrússia, permitindo a Didier Deschamps prolongar o seu contrato até ao Euro 2020 (adiado para 2021 devido à pandemia de COVID). No Campeonato do Mundo de 2018, a equipa francesa venceu a Argentina nos oitavos-de-final e derrotou o Uruguai nos quartos-de-final. Com uma vitória por um a zero sobre a Bélgica, a equipa de Didier Deschamps garante o seu lugar na final. Em 15 de Julho de 2018, a equipa francesa conquistou o Campeonato do Mundo pela segunda vez ao vencer a Croácia por 4-2. Didier Deschamps tornou-se o terceiro homem a ganhar um Campeonato do Mundo como jogador e depois como treinador, depois de Mario Zagallo e Franz Beckenbauer. Didier Deschamps é também o único francês a ter ganho o Campeonato do Mundo duas vezes. Em 31 de Dezembro de 2018, foi agraciado com a Legião de Honra e, em 2019, o seu contrato à frente dos Blues foi prorrogado até ao próximo Campeonato do Mundo de 2022, que se realiza actualmente no Qatar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SPONSOR

spot_img

LATEST

Alain Ducasse, o chef mais estrelado do mundo

Alain Ducasse é o chefe francês com mais estrelas Michelin. Como muitos grandes chefes, começou a sua carreira nos melhores restaurantes de França, antes...

Os parques e jardins mais bonitos de Paris

Paris é mundialmente conhecida pelos seus monumentos famosos, como a Torre Eiffel ou o Museu do Louvre. Mas a capital é também o lar...

Cartage: seguro simplificado de partilha de automóveis para particulares

A partilha de automóveis está a emergir como uma solução inovadora para reduzir o impacto ambiental do transporte individual. Numa altura em que esta...

Tudo sobre o castelo dos duques da Bretanha em Nantes

O Château des Ducs de Bretagne é um castelo de estilo gótico-renascentista situado no coração do bairro medieval de Nantes, no departamento de Loire-Atlantique....

Eva Green: a ascensão de uma estrela, de Paris a 007

No mundo brilhante do cinema, alguns actores deixam uma marca indelével, e Eva Green é indiscutivelmente um deles. Com os seus olhos expressivos e...