Le Train Bleu, o lendário restaurante gourmet da Gare de Lyon

Le Train Bleu é o lendário restaurante gastronómico situado no coração da Gare de Lyon, Place Louis Armand, no 12º arrondissement de Paris. Construído sob a direção do arquiteto Marius Toudoire para a Exposição Universal de 1900, foi inaugurado no ano seguinte pelo Presidente da República, Emile Loubet, com o nome de “buffet de la gare de Lyon”. Em 1963, o estabelecimento passou a chamar-se “le Train Bleu”, em homenagem ao comboio expresso noturno que servia as cidades da Côte d’Azur ao longo da costa mediterrânica. Desde 1972, as suas salas e salões, adornados com esculturas, dourados e molduras, são classificados como monumentos históricos. Neste artigo, vamos reconstituir a história desta cervejaria emblemática, ao mesmo tempo que observamos os elementos decorativos criados pelos maiores pintores da época.

A história do buffet da Gare de Lyon

Paris, finais do século XIX: início dos trabalhos de embelezamento da nova Gare de Lyon para a Exposição Universal de 1900. A reconstrução da antiga estação permitirá à companhia ferroviária PLM (Paris-Lyon-Méditerranée) confirmar a sua posição de líder do tráfego ferroviário no sentido sul. Para melhorar a sua reputação, a direção quer também construir um buffet de prestígio. O trabalho foi confiado a Marius Toudoire, um arquiteto cuja obra inclui o Tour-Horloge e a nova fachada da Gare de Lyon. O sítio parisiense, que atrai cada vez mais turistas, possui agora um campanário e uma fachada monumental ornamentada com esculturas e brasões representando as cidades que serve. O bufete da estação, um simples local de passagem de passageiros entre comboios, beneficiou deste embelezamento. As suas decorações pintadas e esculpidas são um convite à viagem, cobrindo quase 700 m². As pinturas e os frescos evocam um postal da próspera França do pré-guerra, com os seus monumentos históricos e paisagens diversificadas. Este convite à viagem destinava-se à alta sociedade da Belle Époque, que estava a experimentar o turismo ferroviário. Inicialmente, o buffet da Gare de Lyon devia ser inaugurado para a Exposição Universal de 1900, mas foi preciso esperar até 7 de abril de 1901 para descobrir esta obra-prima neo-clássica digna de um museu.

Os cenários de Le Train Bleu

O interior do Train Bleu está dividido em várias zonas. A sala principal, conhecida como a Sala Rejane, tem quase 26 metros de comprimento, enquanto a Sala Dourada, que deve o seu nome ao estuque que cobre as suas paredes, tem mais de 18 metros de comprimento. À esquerda, os salões tunisinos e argelinos, decorados com motivos geométricos e paisagens orientais. Todos os tectos são totalmente pintados, esculpidos ou dourados. As 40 decorações pintadas em tela para a glória do PLM (Paris-Lyon-Méditerranée) foram criadas por artistas de renome. Entre estas, figuram paisagens e cidades servidas pela rede ferroviária, como o teatro de Orange, pintado na parede sul do salão principal. O restaurante está mobilado em mogno maciço e os tectos ornamentados são adornados com candelabros de bronze dourado. Na altura, os membros do comité de gestão do PLM não se coibiam de se exibir perante personalidades como as actrizes Sarah Bernhardt e Réjane e o escritor Edmond Rostand. Durante a Segunda Guerra Mundial, o buffet da estação foi requisitado pelos alemães, antes de ser entregue à SNCF em 1945. Em 1963, o restaurante caiu em desuso e foi adquirido por Albert Chazal, um restaurador que iniciou obras de renovação. O buffet da Gare de Lyon passou a chamar-se “Le Train Bleu”, em homenagem ao lendário comboio noturno Paris-Ventimiglia com destino à Côte d’Azur. Em 1972, o Salão dourado, a Grande Sala, os salões tunisino e argelino e as passagens com os seus elementos decorativos foram classificados como monumentos históricos por André Malraux.

As paredes e os tectos do Train Bleu estão decorados com frescos e pinturas.
As paredes e os tectos do Train Bleu estão decorados com frescos e pinturas.

As principais obras do restaurante

Várias obras de arte decoram as paredes e os tectos do famoso restaurante gourmet. Na sala principal, três quadros representam as três maiores cidades de França: Paris, com uma obra de François Flameng (1856-1923), Lyon com uma pintura de Guillaume Dubufe (1853-1909) e Marselha pintada por Gaston Casimir Saint-Pierre (1833-1916). O quadro principal desta sala é da autoria do pintor Albert Maignan. A imagem retrata o teatro em Orange, onde figuram vários retratos de personalidades ferroviárias da época, incluindo Stéphane-Adolphe Dervillé, presidente da Compagnie de Chemin du Fer Paris-Lyon-Méditerranée. No total, cerca de trinta dos melhores pintores da época criaram os cenários de Le Train Bleu. Um mural de René Billotte (1846-1914) adorna o teto da escadaria, e a sala dourada apresenta obras de Henri Gervex (1852-1929) e Jean-Baptiste Olive (1848-1936), um artista conhecido pelas suas pinturas marinhas.

Le Train Bleu, estrelas e cinema

Verdadeira joia da arquitetura da Belle Époque, o Train Bleu acolheu muitas celebridades à sua mesa: Brigitte Bardot, Sarah Bernhardt, Coco Chanel, Jean Cocteau, Colette, Salvador Dalí, Jean Gabin, François Mitterrand e Marcel Pagnol eram clientes habituais deste restaurante gourmet. A lendária brasserie parisiense foi também uma fonte de inspiração para muitos cineastas, que a utilizaram frequentemente como pano de fundo. Em 1990, Luc Besson filmou “Nikita” ao lado de Anne Parillaud. O Train Bleu foi também utilizado como cenário em 1998 para o filme “Place Vendôme” de Nicole Garcia e em 2005 para o filme “Anthony Zimmer” com Sophie Marceau. Uma sequência do filme “As Férias de Mister Bean”, protagonizado pelo ator britânico Rowan Atkinson, foi também filmada nos salões do Train Bleu em 2007.

O Le Train Bleu também tem uma área de bar que inclui vários pequenos salões com uma decoração luxuosa.
O Le Train Bleu também tem uma área de bar que inclui vários pequenos salões com uma decoração luxuosa.

Cozinha tradicional e serviço à francesa

Com uma capacidade de 250 pessoas, o espetáculo gastronómico não se limita aos pratos. O restaurante oferece um serviço rápido e distinto que respeita a tradição francesa como uma verdadeira cerimónia. A carne é cortada, o corte escolhido e a flambagem é feita perante os olhos espantados dos convidados por uma brigada de maîtres d’hôtels que vieram sublimar a cozinha do chefe. Desde 2018, o restaurante trabalha com a Maison Rostang, que co-escreveu um novo menu gourmet e novos pratos na tradição do buffet da estação. O chef Michel Rostang, galardoado com uma estrela Michelin, pretende oferecer uma cozinha influenciada por produtos sazonais e regionais, emblemática da histórica linha PLM (Paris-Lyon-Méditerranée). Por exemplo, o autêntico gratinado dauphinois, sem queijo nem ovo, valoriza a famosa perna de borrego assada, prato obrigatório no Train Bleu. Outras especialidades incluem o emblemático Baba au Rhum ou o Tártaro preparado diante dos seus olhos. Foram muitos os chefes que trabalharam nas cozinhas do restaurante da Gare de Lyon: Jean Thauvin (1963-1992), Michel Comby (1992-2000), André Signoret (2000-2004), Jean-Pierre Hocquet (2004-2019). Samir Balia, que trabalhou nas cozinhas do hotel Royal Monceau, é o novo chefe de cozinha do restaurante a partir de 2019.

Le Train Bleu: informações práticas

O restaurante Train Bleu está aberto todos os dias do ano, das 11h15 às 14h30 e das 19h às 22h30. Para além das suas 2 grandes salas de jantar, o restaurante também oferece um serviço de take-away, bem como uma área de bar (o Lounge bar, aberto das 7h30 às 22h30, sem interrupção) que inclui vários pequenos salões com uma decoração luxuosa. Carta de vinhos, cartão de oferta, menu, críticas, reservas… encontre todas as informações necessárias para preparar a sua visita culinária no sítio Web www.le-train-bleu.com/fr/.

Bom apetite!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SPONSOR

spot_img

LATEST

Zoo de Beauval, o jardim zoológico mais visitado de França

O ZooParc de Beauval é o jardim zoológico mais visitado de França, com mais de 1,5 milhões de visitantes por ano. Situado em Saint-Aignan-sur-Cher,...

Gordes: a aldeia mais bonita do mundo é francesa!

A França está repleta de aldeias pitorescas que impressionam pelo seu encanto e história. Entre elas, Gordes destaca-se por uma beleza singular que lhe...

O Palácio dos Papas em Avignon, a maior fortaleza gótica

O Palácio dos Papas de Avignon é uma famosa fortaleza gótica, situada no departamento de Vaucluse, na região de Provence-Alpes-Côte d'Azur. Fortaleza e palácio,...

O Colorado Provençal em Rustrel: uma viagem ao coração do ocre

Em França, no coração da magnífica região da Provença, encontra-se um destino que surpreende os viajantes de todo o mundo: o Colorado Provençal. Este...

À descoberta de Saint-Emilion: história, passeios e grandes vinhos

Saint-Emilion é uma cidade medieval situada no coração da região vinícola de Bordéus, na Dordogne. A cidade é famosa pelos seus vinhos, considerados entre...