Tudo sobre o castelo dos duques da Bretanha em Nantes

O Château des Ducs de Bretagne é um castelo de estilo gótico-renascentista situado no coração do bairro medieval de Nantes, no departamento de Loire-Atlantique. Classificado como monumento histórico desde 1840, este edifício, que atrai mais de 300 000 visitantes por ano, está rodeado por um fosso e por elementos arquitectónicos que datam do século XIV ao século XVIII. Inicialmente criado como base defensiva para a cidade de Nantes, o castelo tornou-se a residência principal dos duques da Bretanha durante o reinado de Francisco II, e depois uma fortaleza real durante o reinado de Francisco I. Desde 1924, o castelo alberga um museu e, desde 2007, o Museu de História de Nantes. Neste artigo, vamos abordar a história deste castelo bretão, a sua evolução ao longo dos séculos, bem como as diferentes personalidades que estão ligadas a este famoso monumento histórico.

A história do castelo dos duques da Bretanha

No século XIII, os habitantes de Nantes construíram um primeiro castelo no sopé das muralhas galo-romanas da cidade, denominado “Château de la Tour Neuve”, em memória da torre circular que outrora aí fora construída. Em 1207, foram efectuados trabalhos de construção de um fosso à volta do castelo. Tal como o Palácio do Louvre, o edifício atravessa as muralhas da cidade e está construído em torno de uma torre de menagem circular de 35 metros de altura e de um recinto de 900 metros quadrados rodeado de muralhas e de pequenas torres. Um segundo pátio, virado para o Loire, foi construído sob o reinado de João I, duque da Bretanha, que queria mostrar a sua autonomia em relação ao rei de França. No século XIV, João IV de Montfort, vitorioso na Guerra da Sucessão Bretã, tomou posse do castelo da nova torre e reforçou o carácter defensivo do edifício. O monumento permitia agora controlar o acesso à região a partir do Loire. Tendo-se tornado uma residência ducal, o castelo tornou-se também um lugar de poder e Francisco II, duque da Bretanha, decidiu reconstruir completamente o castelo em 1466.

A fachada de tufo branco do pátio interior do Château des Ducs de Bretagne
A fachada de tufo branco do pátio interior do Château des Ducs de Bretagne

O castelo sob Francisco II

François II encarregou Mathurin Rodier, um arquitecto que já tinha trabalhado na catedral de Nantes, de realizar os trabalhos de reconstrução. Foram efectuados grandes trabalhos de terraplanagem para nivelar o pátio interior do castelo em relação ao nível do Loire, transformando assim o rés-do-chão do grand logis numa adega. A partir de então, a parte mais baixa do edifício em Nantes deixou de estar ameaçada pelas inundações. Do lado do pátio, foi construído um palácio residencial de pedra tufa branca com fachadas requintadas, contrastando com as maciças muralhas de granito do lado da cidade. Pouco a pouco, Nantes e o seu porto tornaram-se a cidade mais rica da Bretanha, recebendo uma nova chancelaria e uma nova universidade. Este novo castelo, com apenas 3 hectares, alberga actualmente a corte e a administração ducal, bem como o pessoal dedicado aos duques da Bretanha. Em 1487, o rei Carlos VIII invadiu a Bretanha e tomou o castelo de Nantes de 19 de Junho a 6 de Agosto. Francisco II morre no ano seguinte após uma queda de cavalo, deixando a coroa à sua filha, Ana da Bretanha.

Residência de Anne de Bretagne

Em 1491, o castelo foi oferecido ao rei de França por Alain d’Albret, um poderoso senhor que tinha a sua custódia. Forçada a casar com Carlos VIII, Ana da Bretanha torna-se rainha de França, o que marca o início da união da Bretanha com a França. O casal real viveu principalmente nos castelos do Vale do Loire e raramente se deslocava a Nantes. De acordo com o contrato de casamento e também para garantir a união franco-bretã, a duquesa foi obrigada a casar-se com Luís XII, que sucedeu a Carlos VIII no dia seguinte à sua morte. De regresso a Nantes, Ana da Bretanha iniciou grandes transformações no castelo, com o objectivo de oferecer a si própria uma residência digna do seu título. As loggias (varandas cobertas e fechadas lateralmente) marcam os primeiros sinais do Renascimento no castelo de Nantes e são instaladas torres defensivas durante o seu reinado. A duquesa instala uma biblioteca e utiliza o edifício de Nantes para guardar os seus tesouros. No final, Ana da Bretanha considera Nantes mais um “armazém de móveis” do que uma verdadeira residência. Morreu no castelo real de Blois, a 9 de Janeiro de 1514, deixando duas filhas, entre as quais Claude de France, futura esposa de Francisco I.

O castelo de Nantes, residência real

Em 1515, Claude de France e François I, o novo rei de França, herdaram o edifício de Nantes. Em 1524, Claude de France morreu e o seu filho François tornou-se duque da Bretanha. Em 1532, quando foi assinado o famoso Édito de União da Bretanha à França, o castelo tornou-se a residência real da Bretanha, fazendo de Nantes uma das maiores cidades da província. Até ao século XVII, a maior parte dos reis de França sentavam-se em Nantes durante a cerimónia real da sua primeira visita à Bretanha. Tradicionalmente, os reis chegavam ao castelo de Nantes, junto ao rio Loire, passavam lá a noite e partiam no dia seguinte. No entanto, Nantes perdeu a maior parte das suas funções administrativas para Rennes, que se tornou progressivamente a capital da província da Bretanha. Durante o seu reinado, Francisco I efectuou várias alterações no edifício, nomeadamente a conclusão da cortina do Loire e a construção dos aposentos do rei, um novo edifício anexo à cortina. Em 1551, Henrique II e Catarina de Médicis mudam-se para o Castelo dos Duques. Durante as guerras religiosas, Philippe-Emmanuel de Lorraine, duque de Mercœur e governador da Bretanha, efectua uma nova campanha de obras para transformar o edifício numa fortaleza moderna. Mandou construir dois baluartes, um grande terraço de artilharia e inscreveu o seu emblema, a cruz de Lorena, numa das paredes do castelo. Também concedeu ao seu filho Philippe-Louis o título de “Duque da Bretanha”. No século XVII, Luís XIII e o Cardeal de Richelieu melhoraram a defesa do castelo através de obras de fortificação.

O castelo dos duques da Bretanha e o seu fosso visto do céu
O castelo dos duques da Bretanha e o seu fosso visto do céu

Prisão Real e Quartel

Durante o século XVII, os reis abandonaram o castelo bretão e os governadores da Bretanha deixaram de viver em Nantes. O edifício foi então utilizado como prisão e foi ocupado por soldados. Entre 1643 e 1644, albergou prisioneiros militares capturados durante várias batalhas. O presidente da Câmara de Nantes, bem como outros senhores, foram aprisionados no edifício pelo duque de Mercœur. Luís XIV, que se encontrava no castelo de Versalhes, foi o último rei de França a visitar o castelo dos duques da Bretanha. Em 1670, na sequência de um incêndio, mandou substituir a grande escadaria em espiral (semelhante à de Chambord) por uma grande escadaria e mandou construir uma torre sineira no cimo da entrada principal do castelo. Em 1784, durante a guerra da independência americana, o edifício de Nantes foi transformado em arsenal e depósito de artilharia, a fim de proteger o país em caso de ataque marítimo proveniente do Atlântico.

O castelo dos duques da Bretanha durante a Revolução Francesa

Em 1789, o castelo de Nantes escapou à destruição, apesar de ter sido tomado pelo povo no dia seguinte à tomada da Bastilha. A sua demolição foi pedida e acabou por ser adquirido pela cidade de Nantes em 1791 pela quantia de 12 milhões de libras. Durante este período, o castelo conheceu a sua maior catástrofe: em 25 de Maio de 1800, um tecto da torre espanhola desabou sobre as reservas de pólvora armazenadas. A torre e os edifícios vizinhos foram destruídos, mas felizmente os arquivos dos duques da Bretanha tinham sido transferidos para os arquivos departamentais e escaparam à explosão. A torre espanhola nunca foi reconstruída. Em 1808, Napoleão I ordenou a construção de um cais ao longo do monumento, isolando-o assim do Loire. Em 1853, a arquitectura e a história do edifício de Nantes foram valorizadas por trabalhos de restauro: a torre do porto foi restaurada e, a partir de 1855, os monumentos históricos foram reconstruídos. Monogramas de Ana da Bretanha e gárgulas foram acrescentados às fachadas do castelo. No início do século XX, Henri Deverin, arquitecto responsável pelos monumentos históricos, planeou a reconstrução da parte destruída durante a explosão de 1800, em estilo neogótico. O castelo dos duques da Bretanha permaneceu nas mãos do exército até à Primeira Guerra Mundial.

O nascimento dos museus no interior do castelo

Em 1915, a cidade de Nantes tomou posse do monumento, mas este manteve a sua função militar durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1920, Paul Bellamy, presidente da câmara da cidade, decidiu instalar um museu dedicado às artes decorativas dentro das muralhas do castelo. Este último abriu ao público em 1924 e, em 1939, quase todas as suas salas eram dedicadas à arte popular, contribuindo para o desenvolvimento da cultura bretã. Durante a Segunda Guerra Mundial, o museu foi encerrado e as suas colecções foram colocadas em caixas. Em 1943, durante a ocupação, o edifício de Nantes foi requisitado pelos alemães para ser utilizado como central telefónica. O museu reabriu as suas portas após a libertação e a sua direcção aproveitou para reorganizar a apresentação das colecções. Foram então criados dois museus distintos: o Museu de Arte Popular Regional, situado no Grande Governo, e o Museu de Arte Decorativa, instalado no Grande Logis. O Musée des Salorges, museu consagrado às indústrias portuárias de Nantes, cujas instalações tinham sido destruídas durante a guerra, juntou-se ao edifício dos arreios em 1956. No entanto, o Museu de Arte Decorativa fechou as suas portas em 1972 devido à degradação do edifício em que se encontrava instalado. Nos anos 80, o município de Nantes decidiu agrupar as colecções dos museus municipais no mesmo local. O Musée des Salorges fechou as suas portas em 1994 para três anos de obras e, em 1997, tornou-se um espaço dedicado a exposições temporárias. O Museu de Arte Popular Regional será modernizado ao longo de um período de quase dez anos.

Acesso, preços, exposições, horários de abertura do museu… convidamo-lo a consultar o sítio www.chateaunantes.fr para organizar a sua visita ao Château des Ducs de Bretagne.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SPONSOR

spot_img

LATEST

Deauville, uma luxuosa estância balnear no coração da Normandia

Situada na costa da Normandia, Deauville é uma joia rara, combinando o encanto pitoresco do campo francês com a elegância e o luxo de...

De Trappes a Hollywood: a fascinante biografia de Omar Sy

É um dos rostos mais emblemáticos do cinema francês contemporâneo. Com o seu sorriso contagiante, um carisma inegável e um talento que ultrapassa fronteiras,...

Gastronomia francesa: 10 especialidades que viajam pelo mundo

A gastronomia francesa é mundialmente conhecida pela sua riqueza, diversidade e requinte. Encarna a própria essência das artes culinárias e conquistou o paladar dos...

O Château de Fontainebleau, símbolo da realeza francesa

O Château de Fontainebleau é um famoso castelo francês situado na Ile de France, no departamento de Seine-et-Marne, 55 quilómetros a sudeste de Paris....

Focal JMLab, o fabricante de altifalantes Made in France

A Focal JMLab é uma empresa francesa especializada no fabrico de altifalantes topo de gama. Fundada em 1979 por Jacques Mahul, jornalista técnico e...