À descoberta dos pântanos de Poitevina, a Veneza Verde

O pântano de Poitevin é uma região natural de França situada nas regiões de Nouvelle-Aquitaine e Pays de la Loire. Espalhados pelos departamentos de Vendée, Deux-Sèvres e Charente-Maritime, os pântanos de Poitevin, também conhecidos como a “Veneza verde”, formam, juntamente com a baía de Aiguillon, um parque natural regional com cerca de 100 000 hectares. Desenvolvidos pelo homem desde o século XI, os pântanos de Poitevin são constituídos por três zonas principais ligadas ao seu funcionamento hidráulico: os pântanos marítimos, os pântanos secos e os pântanos húmidos. Neste artigo, abordaremos a história dos pântanos de Poitevin e o desenvolvimento desta região natural, composta por quilómetros de canais e rios e que alberga uma grande variedade de flora e fauna, incluindo muitas espécies raras ou ameaçadas.

A história dos pântanos de Poitevin e a sua evolução

Na época galo-romana, pensa-se que a maré corria até Marans, na margem Sèvre Niortaise do rio que atravessa Niort, bem como na margem Vendée. A região é igualmente famosa pela exploração do sal marinho, conhecido como “sal de Poitou”. A partir do século VII, os grandes senhores feudais fizeram concessões e doações de partes dos pântanos às abadias locais, como a abadia de Maillezais ou o mosteiro de Luçon. Os pântanos foram urbanizados para optimizar a produtividade das culturas, da pecuária e da pesca e para desenvolver a actividade ligada às salinas. A partir do final do século X, foram efectuados trabalhos de represamento dos pântanos secos, a fim de facilitar a exploração das terras da região. Em 1189, o canal de Bot-Neuf, actualmente denominado canal de Clain e com 14,2 quilómetros de comprimento, foi escavado pelo abade de Moreilles. O canal dos 5 abades, destinado a secar os pântanos de Langon e Vouillé, foi escavado entre 1200 e 1217. Mais tarde, foram também escavados outros grandes canais de evacuação.

No reinado de Henrique IV, intensificaram-se os trabalhos de drenagem dos pântanos de Poitevin, sob a direcção de Humphrey Bradley, engenheiro holandês especializado em hidráulica. Sob o impulso de Pierre Siete, foram criados, no século XVII, os primeiros sindicatos dos pântanos, constituídos por grupos de proprietários. O “contrebot de vix”, um dos mais longos canais dos pântanos de Poitevin, foi escavado em 1662. Da mesma forma, foram construídos aquedutos para melhorar a gestão das águas e, nomeadamente, a evacuação das águas dos pântanos húmidos. No final do século XVII, os pântanos secos e os pântanos húmidos estavam completamente dependentes uns dos outros.

Percorrer os canais do Marais Poitevin de barco, com ou sem barqueiro
Percorrer os canais do Marais Poitevin de barco, com ou sem barqueiro

Desenvolvimento do pântano húmido

Em 1808, Napoleão I decretou o desenvolvimento do Sèvre Niortaise para tornar o rio navegável, período que marcou o início de uma campanha de grandes obras que duraria quase um século. A Revolução Francesa e a criação dos departamentos dividiram artificialmente esta zona entre a Vendeia, Charente-Maritime e Deux-Sèvres. Foram efectuadas grandes obras destinadas a melhorar a evacuação das águas para o oceano durante os períodos de maré alta, bem como o alargamento, a rectificação e o aprofundamento de certos canais. No entanto, estes canais, especialmente concebidos para a navegação, só raramente foram utilizados para o transporte marítimo, em concorrência com o desenvolvimento do transporte ferroviário na região de Poitou. Nos anos 60, foram efectuadas grandes obras hidro-agrícolas (reagrupamento, criação de novos descarregadores, recalibração dos canais, etc.). O pântano húmido desapareceu em torno do rio Vendée. Em 1975, os eleitos mobilizaram-se para criar um sindicato misto destinado a ter em conta os problemas de desenvolvimento ecológico dos pântanos de Poitevin, dos vales da bacia hidrográfica e das zonas florestais circundantes. Foi assim criado o Parque Natural Regional dos Pântanos de Poitevin. No entanto, a drenagem forçada dos pântanos de Poitevin tem um impacto na biodiversidade, nomeadamente em mais de 250 espécies de aves.

A tipologia dos pântanos do Parque Natural do Marais Poitevin

Ao contrário do pântano húmido, o termo pântano seco não significa que o pântano já não tenha água, mas que, teoricamente, já não é inundável. Da mesma forma, não pode haver pântano seco sem pântano húmido, uma vez que o pântano húmido regula a entrada de água da bacia hidrográfica para evitar inundações. De facto, os pântanos secos são zonas artificiais rodeadas por diques que as protegem tanto do mar como das bacias hidrográficas. Dependendo das inundações, o pântano húmido permitiu o desenvolvimento de culturas de ciclo curto, como as famosas mogettes (feijão branco), que têm um ciclo de três meses.

O pântano natural, pelo contrário, foi desenvolvido pelo homem. É abastecido de água doce pelos rios e cursos de água costeiros das bacias hidrográficas do Sèvre Niortaise, Vendée e Lay. Estes canais complexos são semelhantes aos vasos sanguíneos do corpo humano. Graças a uma gestão subtil da água doce, o pântano natural requer a evacuação do excesso de água em caso de inundação, bem como a alimentação regulada em tempos de seca.

A fauna e a flora do pântano

Dado que o pântano é drenado artificialmente, é necessária uma manutenção regular. As margens devem ser consolidadas para não desmoronarem e as valas devem ser limpas regularmente para não assorearem. Por esta razão, foram plantadas muitas espécies de árvores para a biodiversidade do pântano de Poitevin.

  • Choupos: os numerosos choupos dos pântanos do Poitevin contribuem para estruturar a paisagem. O choupo denominado “blanc du Poitou” é tradicionalmente a espécie de choupo mais procurada, embora actualmente seja pouco utilizada.
  • Freixos: os freixos são polidos, ou seja, podados regularmente para que a altura do tronco não ultrapasse os dois metros. Os ramos cortados são utilizados como lenha. As raízes atarracadas dos freixos contribuem igualmente para a manutenção das margens.
  • Salgueiros: Os salgueiros encontram-se principalmente ao longo das margens dos rios e alguns produzem vime.

Outras espécies de árvores incluem a carpa, o choupo preto, o salgueiro branco, o carvalho pedunculado, o ácer e o ulmeiro.

O nome “Veneza Verde” provém da lentilha d’água, uma planta aquática flutuante que se encontra nos pântanos húmidos. Existem nada menos que seis espécies de lentilha nos pântanos de Poitevin. Existem também plantas dos prados, plantas costeiras, plantas aquáticas, plantas da costa e plantas das dunas.

A lontra europeia, espécie protegida rara e ameaçada, está muito presente nos pântanos de Poitevin. Seis espécies de garças estão igualmente presentes no sapal, sendo a mais conhecida a garça-real e os seus 760 casais anuais. Desde 2007, a garça-branca-grande está também presente nos pântanos de Poitevin. No passado, o sapal era também o habitat de muitas enguias, uma espécie actualmente ameaçada pela sobrepesca de meixão (alvins de enguia). A libélula contribui para reduzir a proliferação de mosquitos nos pântanos de Poitevin.

O barco tornou-se o meio de transporte turístico nos pântanos de Poitevin
O barco tornou-se o meio de transporte turístico nos pântanos de Poitevin

O barco tradicional do pântano

Durante vários séculos, o barco foi o único meio de transporte dos habitantes dos pântanos de Poitevin até aos anos sessenta. A construção de caminhos e de pontes pedonais permitiu então o acesso aos pântanos de Poitevin por meio de veículos. O barco tradicional é feito de madeira ou de ferro e alguns foram construídos para transportar animais ou materiais pesados. A partir dos anos 20, o barco passou a ser um meio de transporte turístico e, actualmente, os barcos são feitos principalmente de resina. Actualmente, é difícil encontrar um barco de madeira bem construído. Os barcos podem ser conduzidos de pé ou sentados, e a popa afunilada do barco permite uma manobrabilidade excepcional com um remo (a pá, um remo de madeira) ou uma vara (de madeira com uma ponta de metal).

Em função da sua utilização, os barcos têm dimensões diferentes: medem entre 9 e 22 pés para a horticultura e entre 8 e 12 pés para a pesca. Os barcos de turismo têm 13 pés de comprimento. Antigamente, os barcos de 20 a 22 pés eram utilizados para o transporte de animais nos pântanos de Poitevin. Em geral, cada família que vive nos pântanos possui vários tipos de barcos, em função das suas necessidades quotidianas.

O turismo e o Marais Poitevin

Todos os anos, o parque natural regional do Marais Poitevin atrai cerca de 1,4 milhões de turistas. É possível navegar nos canais do Marais Poitevin de barco, com ou sem barqueiro. Algumas aldeias, como Coulon ou Magné, dispõem de cais e oferecem várias opções para visitar os pântanos:

  1. Passeios excepcionais: estes passeios, com uma duração de 2 a 3 horas e acompanhados por guias experientes, são organizados ao amanhecer ou ao anoitecer, com um pequeno-almoço ou uma degustação de produtos regionais.
  2. Passeios em grupo: esta opção permite embarcar num barco que pode acolher até 12 pessoas. Os passeios em grupo têm uma duração de 1 a 2 horas e são conduzidos por um guia-trabalhador.
  3. O desembarcadouro de Prada: criado em 1977, este desembarcadouro propõe pacotes de aluguer de barcos, com ou sem guia.
  4. O passeio tradicional: esta fórmula permite-lhe visitar os pântanos de Poitevin sozinho, em família ou em pequeno grupo, a bordo de um barco acompanhado por um guia.
  5. Os monstros lendários dos pântanos de Poitevin: esta fórmula, com uma duração de 2 a 3 horas, permite-lhe embarcar e descobrir os monstros lendários dos pântanos de Poitevin.

Também é possível visitar os pântanos de Poitevin em canoa ou caiaque. O mapa dos canais, a lista dos pontos de desembarque, bem como os preços e as opções de aluguer podem ser consultados no sítio Web www.marais-poitevin.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

SPONSOR

spot_img

LATEST

Tudo sobre a baguete francesa, a rainha dos pães

A baguette de pain, ou simplesmente baguette, é uma tradição francesa que data de há séculos. A baguete é um pão comprido e fino,...

O Arco do Triunfo, outro monumento emblemático de Paris

O Arco do Triunfo é um monumento famoso situado em Paris, no extremo oeste da Avenida dos Campos Elísios. Construído entre 1806 e 1836,...

Focal JMLab, o fabricante de altifalantes Made in France

A Focal JMLab é uma empresa francesa especializada no fabrico de altifalantes topo de gama. Fundada em 1979 por Jacques Mahul, jornalista técnico e...

O Centro Pompidou, o museu dedicado à arte moderna e contemporânea

O Centro Georges Pompidou, vulgarmente conhecido como Centro Pompidou, é um museu de arte moderna e contemporânea situado no 4º arrondissement de Paris, entre...

O Colorado Provençal em Rustrel: uma viagem ao coração do ocre

Em França, no coração da magnífica região da Provença, encontra-se um destino que surpreende os viajantes de todo o mundo: o Colorado Provençal. Este...